1850

28 de ABRIL

Inicia-se em Lisboa a publicação de O Eco dos Operários.

1852

5 de JULHO

É abolida a pena de morte para os crimes políticos.

27 de JULHO

É fundada a Associação dos Operários.

1853

16 de JUNHO

É publicado o decreto que aprova os Estatutos do Centro Promotor das Classes Laboriosas.

1869

FEVEREIRO

É decretada a abolição total da escravatura nos territórios portugueses.

1870

19 de OUTUBRO

O Centro Promotor dos Melhoramentos das Classes Laboriosas reforma os seus estatutos, tendo por base os princípios da Internacional.

1871

18 de MARÇO

Comuna de Paris.

JUNHO

Chegam a Lisboa três emissários espanhóis da Associação Internacional dos Trabalhadores (Anselmo Lorenzo, Gonzaléz Morago e Francisco Mora) para estabelecer em Portugal uma secção da AIT. Entre os três emissários e José Fontana, Antero de Quental e Jaime Batalha Reis fica acordada a fundação secreta do Núcleo Internacional de Lisboa, a que aderem, entre outros, Nobre França, Azedo Gneco, José Tedeschi e Sousa Monteiro.

1872

19 de JANEIRO

José Fontana e outros fundam a Associação Fraternidade Operária.

10 de MARÇO

Inicia-se em Lisboa a publicação de O Pensamento Social.

SETEMBRO

Reúne-se em Haia o congresso da Associação Internacional dos Trabalhadores, que vota a criação de partidos socialistas nacionais e a separação do anarquismo representado pela Aliança Internacional da Democracia Socialista orientada por Miguel Backunine e integrada na Internacional.

 A Fraternidade Operária seguiu esta orientação e fez-se representar no congresso por Paul Lafargue, genro de Karl Marx, que tinha estado em Lisboa.

1875

10 de JANEIRO

Por proposta de Azedo Gneco e com o apoio de José Fontana, constitui-se o Partido Socialista Português (PSP). A comissão encarregada de redigir o seu programa é composta por José Fontana, Azedo Gneco, Antero de Quental, Nobre França, Felizardo de Lima e outros.

7 de AGOSTO

Inicia-se a publicação de O Protesto dirigido por Azedo Gneco.

15 de NOVEMBRO

Realizam-se eleições municipais em que pela primeira vez são incluídos numa lista neutra 4 socialistas Jaime Batalha Reis, Sousa Brandão, António Soares Monteiro e Francisco Gonçalves Lopes.

1877

2-4 de FEVEREIRO

Reúne-se em Lisboa o I Congresso Nacional do PSP, para adopção do seu Programa.

1878

FEVEREIRO

Realiza-se no Porto o II Congresso do PSP.

1879

MARÇO

Reúne-se o III Congresso do PSP, em Lisboa.

MAIO

Inicia-se a publicação de O Operário.

1880

MAIO

Manifesto ao País dos Socialistas Portugueses.

23-25 de OUTUBRO

Realiza-se no Porto o IV Congresso do PSP.

1882

11-15 de FEVEREIRO

Realiza-se em Lisboa a I Conferência Socialista. Decide-se a fusão do jornal O Operário do Porto com O Protesto de Lisboa, dando origem ao Protesto Operário, órgão do PSP.

1884

MARÇO

Realiza-se em Lisboa uma homenagem póstuma a José Fontana com a participação de 20.000 trabalhadores e 71 organizações populares.

1888

Os estabelecimentos comerciais passam a encerrar aos domingos, em consequência da campanha feita em favor dessa medida pelo PSP e José Fontana.

1889

JULHO

Realizam-se em Paris dois Congressos Internacionais Socialistas um possibilista e o outro marxista. Este Congresso marca o início das divergências socialistas em Portugal, pois divide o PSP em duas facções uma possibilista orientada por Luís de Figueiredo e a outra marxista orientada por Azedo Gneco.

1890

JANEIRO

Ultimato inglês.

1 de MAIO

É comemorada pela primeira vez em Portugal a festa do trabalho. Inicia-se a publicação de A República Social.

1891

31 de JANEIRO

Levantamento republicano no Porto.

1892

JUNHO

Realiza-se no Porto o Congresso das Associações de Classe.

1894

7 de JANEIRO

Inicia-se a publicação de A Federação, órgão da Confederação Nacional das Associações de Classe, dirigida Azedo Gneco, porta-voz dos marxistas.

SETEMBRO

Angelina Vidal e Luís de Figueiredo publicam a folha socialista, O Partido Operário.

1895

14-16 de OUTUBRO

Realiza-se em Tomar a II Conferência Socialista, que aprova um programa partidário da autoria de Azedo Gneco.

1896

JULHO

Azedo Gneco representa o PSP no Congresso Internacional Socialista em Londres. 

Nova dissidência no seio da facção marxista Ernesto da Silva e Teodoro Ribeiro rompem com Azedo Gneco pois pugnavam para que o PSP se integrasse na campanha de propaganda republicana. Este grupo passa a ser conhecido pelos "Socialistas Intervencionistas".

1900

1 de MAIO

Edita-se o jornal socialista A Luta dirigido por José de Macedo. O governo proíbe o jornal e prende o seu director.

SETEMBRO

O PSP faz-se representar por Jean Jaurès no Congresso Socialista Internacional, em Paris.

DEZEMBRO

Inicia-se em Setúbal a publicação de O Trabalho, que é dirigido por Luís de Figueiredo, da facção possibilista.

1901

13 a 16 de JUNHO

Realiza-se em Coimbra a III Conferência Socialista.

1905

DEZEMBRO

Azedo Gneco assina o apelo Internacional "Aux Travailleurs de tous les Pays", contra a tirania de Nicolau II.

1906

30 de JUNHO

Realiza-se em Tomar a Conferência Extraordinária do PSP.

1907

JUNHO

Realizam-se as conferências socialistas de que resulta a união dos marxistas e possibilistas. É editado o Programa e Regulamento Geral do PSP.

1908

1 de FEVEREIRO

Assassinato do rei D. Carlos e do príncipe Luís Filipe. Os autores do atentado, Manuel Buíça e Alfredo Costa, foram mortos pela polícia.

1910

5 de OUTUBRO

Proclamação da República.

1911

27 de MAIO

O socialista Manuel José da Silva é eleito para as Constituintes.

18-19 de JUNHO

Realiza-se em Lisboa o V Congresso Nacional do PSP.

JULHO

O socialista francês Jean Jaurès visita Lisboa.

NOVEMBRO

Chega a Lisboa para uma série de conferências o socialista espanhol Pablo Iglésias.

1912

Funda-se a União das Mulheres Socialistas, por iniciativa de Matilda Simes e Alexandrina Homem.

1913

21 a 24 de JUNHO

Realiza-se no Porto o VI Congresso Nacional do PSP.

DEZEMBRO

O PSP adere à II Internacional.

1914

AGOSTO

Inicia-se em Lisboa, a publicação de O Combate.

1915

3-5 de OUTUBRO

Realiza-se na Covilhã o VII Congresso Nacional do PSP.

1916

MARÇO

A Alemanha declara guerra a Portugal.

16 de ABRIL

Realiza-se em Coimbra o I Congresso Extraordinário do PSP.

1917

23-26 de JUNHO

Tem lugar em Coimbra o VIII Congresso Nacional do PSP.

17 de OUTUBRO

Revolução Russa.

5 de DEZEMBRO

Vitória do levantamento militar dirigido por Sidónio Pais.

Começa a ditadura sidonista.

1918

OUTUBRO

Perseguições contra os republicanos "Leva da Morte", em que são assassinadas sete pessoas.

14 de DEZEMBRO

Sidónio Pais é assassinado.

1919

JANEIRO

Proclamação da monarquia no Norte (Paiva Couceiro). Os monárquicos de Lisboa revoltaram-se em Monsanto.

O socialista Augusto Dias da Silva é nomeado ministro do Trabalho no Governo de Domingos Pereira.

MAIO

Decreto-lei estabelecendo a jornada de oito horas no comércio e na indústria.

SETEMBRO

No II Congresso Nacional Operário, realizado em Coimbra, é criada a Confederação Geral do Trabalho (CGT) portuguesa, de influência anarquista.

4-6 de OUTUBRO

Realiza-se na Figueira da Foz o IX Congresso Nacional do PSP.

1920

3-5 de OUTUBRO

Reúne-se em Lisboa o II Congresso Extraordinário do PSP.

1921

MARÇO Criação do Partido Comunista Português (PCP).

SETEMBRO

Salazar é eleito deputado do Centro Católico por Guimarães.

15 de OUTUBRO

Inicia-se a publicação da revista Seara Nova.

19 de OUTUBRO

Noite Sangrenta" os chefes republicanos Machado Santos, António Granjo e Carlos da Maia são assassinados.

Salazar abandona o Parlamento.

1922

3-5 de ABRIL

Reúne-se em Tomar o X Congresso Nacional do PSP.

1923

NOVEMBRO

Reúne o I Congresso do PCP.

DEZEMBRO

Salazar expõe o seu programa financeiro às organizações patronais.

Participação do Grupo Seara Nova no governo de Álvaro de Castro. Manuel Teixeira Gomes é eleito Presidente da República.

1924

JANEIRO

Manifestações contra a condenação dos anarquistas Sacco e Vanzeti.

21-23 de JUNHO

Reúne-se no Porto o XI Congresso Nacional do PSP.

AGOSTO

Tentativa putschista "radical-comunista".

SETEMBRO

Nova tentativa "radical-comunista" de tomada do poder, tendo grupos de soldados e civis assaltado o Ministério da Guerra e a Central Telegráfica.

1925

18 de ABRIL

Tentativa fracassada de putsch militar contra a República chefiado por Sinel de Cordes, Filomeno da Câmara e Raul Esteves.

JULHO

Nova tentativa fracassada de golpe militar chefiado por Mendes Cabeçadas.

José Domingos dos Santos cria o Partido da Esquerda Democrática. Teixeira Gomes renuncia à Presidência da República e é eleito Bernardino Machado.

1926

JANEIRO

Tentativa fracassada de revolução radical chefiada por Justiniano Esteves, Martins Júnior e Lacerda de Almeida.

Constitui-se em Braga uma Junta Militar Revolucionária.

28 de MAIO

Em Braga inicia-se o pronunciamento militar que haveria de pôr termo à I República e iniciaria um longo período de Ditadura. Na capital minhota os revoltosos são liderados pelo general Gomes da Costa; em Lisboa, pelo comandante Mendes Cabeçadas; e em Évora, pelo general Óscar Carmona. Apenas o general Domingos Peres, em Braga, e o general Sousa Dias, no Porto, oferecem alguma resistência.

29 de MAIO

Realiza-se o II Congresso do PCP.

30 de MAIO

Demissão de Bernardino Machado da Presidência da República.

3 de JUNHO

Os líderes do movimento militar chegam a acordo para a distribuição das pastas na nova Junta Governativa. Mendes Cabeçadas mantém-se na Presidência, Gomes da Costa encarrega-se das Colónias e da Guerra, Carmona é titular dos Negócios Estrangeiros. Oliveira Salazar é escolhido para a pasta das Finanças.

9 de JUNHO

Dissolução do Congresso da República (Senado e Câmara dos Deputados).

18 de JUNHO

Na sequência de uma carta-ultimato de Gomes da Costa, Mendes Cabeçadas abandona o Governo. No dia seguinte, o general Gomes da Costa é nomeado Presidente do Ministério.

22 de JUNHO

Decreto-lei que estabelece a censura.

29 de JUNHO

Gomes da Costa acumula os cargos de Presidente do Ministério e de Presidente da República.

3-5 de JULHO

Reúne-se em Lisboa o XII Congresso Nacional do PSP.

9 de JULHO

Carmona depõe e desterra o general Gomes da Costa por meio de golpe militar.

11 de SETEMBRO

Tropas leais ao Governo da Ditadura reprimem uma tentativa de revolta militar, chefiada pelo capitão Alfredo Chaves, em Chaves.

1927

3 de FEVEREIRO

Inicia-se, no Porto, com a insubordinação de tropas de Caçadores 9, uma revolta contra a Ditadura Militar, liderada por Sousa Dias. Durante alguns dias, o confronto entre as tropas leais à Ditadura e as unidades revoltosas mergulham o país numa situação próxima da guerra civil.

7 de FEVEREIRO

A revolta militar estende-se a Lisboa, onde é comandada por Mendes dos Reis e Agatão Lança. A esta aderem forças da GNR e da Marinha. Os combates prolongaram-se pelos dias seguintes. No dia 11 as forças governamentais têm a situação controlada.

16 de FEVEREIRO

Criação da Liga de Defesa da República (Liga de Paris), com o objectivo de lutar contra a Ditadura Militar. Entre os seus membros, avultam os nomes de Afonso Costa, António Sérgio, Jaime Cortesão, Álvaro de Castro e José Domingos dos Santos.

17 de MARÇO

É criada a Polícia de Informações, resultante da fusão das congéneres de Lisboa e do Porto, subordinada ao Ministro do Interior.

1928

25 de MARÇO

Carmona é "eleito" Presidente da República.

ABRIL

Salazar é nomeado ministro das Finanças no Governo do general Vicente de Freitas.

20 de JULHO

Nova tentativa de golpe revolucionário contra a Ditadura. O Batalhão de Caçadores 7 desencadeia a revolta, em Lisboa. Em Setúbal, Castelo Branco, Pinhel e Guarda várias unidades aderem ao movimento. Em vários pontos do país verificam-se incidentes e trocas de tiros. As tropas fiéis ao Governo recuperam o controlo da situação em 24 horas. A Oposição sofre um duro golpe são feitas dezenas de prisões e muitos oposicionistas são deportados para as colónias.

18 de NOVEMBRO

Manuel Gonçalves Cerejeira, Arcebispo de Mitilene é elevado à dignidade de Cardeal Patriarca de Lisboa.

1929

OUTUBRO

Salazar acumula os ministérios das Finanças, Colónias e Interior.

1930

17 de JUNHO

O Governo desmantela uma nova conspiração de forças oposicionistas. Cunha Leal, João Soares, Moura Pinto e Sá Cardoso, entre outros, são presos e deportados para os Açores.

8 de JULHO

Aprovação do Acto Colonial.

30 de JULHO

Domingos de Oliveira, Oliveira Salazar e Lopes Mateus apresentam as bases da União Nacional, numa cerimónia realizada na Sala do Conselho de Estado.

1931

FEVEREIRO

Inicia-se a publicação de O Avante! como órgão central do PCP.

4 de ABRIL

Tem início a Revolta da Madeira, onde durante 25 dias os revolucionários resistem às forças governamentais. Revoltam-se também os deportados políticos que estão nas ilhas de S. Miguel e da Terceira. A revolta alastra a S. Tomé e à Guiné e Cabo Verde.

ABRIL

Revolução em Espanha Afonso XIII exila-se e é proclamada a República

4 de JULHO

"Manifesto ao País", da recém-criada Aliança Republicana Socialista, organização que congrega elementos oriundos do Partido Republicano Português, da União Liberal Republicana (ULR), da Esquerda Democrática, do Partido Radical, da Secção Republicana, do PSP e do Partido Republicano Nacionalista.

26 de AGOSTO

Nova revolta militar em Lisboa contra a ditadura.

1932

5 de JUNHO

Salazar é nomeado Presidente do Conselho.

1933

11-13 de MARÇO.

Realiza-se em Coimbra a IV Conferência do PSP, ainda na legalidade

11 de ABRIL

É promulgada a nova Constituição Política, que institucionaliza o Estado Novo.

29 de AGOSTO

É criada a Polícia Internacional de Defesa e Vigilância do Estado (PVDE), resultante da fusão da Polícia da Defesa Social da Política e da Polícia Internacional.

1934

18 de JANEIRO

Greve geral revolucionária.

ABRIL

I Congresso da União Nacional.

16 de DEZEMBRO

Realizam-se eleições para a Assembleia Nacional, a que concorrem apenas membros do partido único.

1935

17 de FEVEREIRO

Carmona é "reeleito" Presidente da República, sem oposição.

23 de MARÇO

Lei que introduz alterações à Constituição Política da República Portuguesa. É a primeira revisão do texto fundamental de 1933 e traduz, de facto, um alargamento sensível da função legislativa do Governo e a redução do papel da Assembleia Nacional.

13 de MAIO

O Governo adopta uma série de medidas visando afastar dos quadros da administração civil e militar todos os indivíduos conotados com a Oposição. Adelino da Palma Carlos, Mendes Cabeçadas, Rodrigues Lapa, Abel Salazar e Norton de Matos são algumas das personalidades saneadas pelo Governo.

21 de MAIO

Promulgação da Lei sobre as associações secretas. Nomeadamente as Associações Maçónicas são proibidas.

10 de SETEMBRO

Fracassa mais uma tentativa revolucionária, cuja preparação esteve a cargo de elementos "reviralhistas" e nacional-sindicalistas. São efectuadas várias prisões e o comandante Mendes Norton é desterrado para Cabo Verde.

1936

23 de ABRIL

É criada a colónia penal do Tarrafal, na Ilha de Santiago, em Cabo Verde.

19 de MAIO

Criação da Mocidade Portuguesa.

4 de JUNHO

Governo da Frente Popular em França (integrando republicanos radicais, socialistas e comunistas), presidido pelo socialista Léon Blum.

18 de JULHO

Início da Guerra Civil de Espanha.

8 de SETEMBRO

Revolta dos marinheiros dos navios de guerra Dão, Bartolomeu Dias e Afonso de Albuquerque.

30 de SETEMBRO

Criação da Legião Portuguesa.

23 de OUTUBRO

O Governo português suspende as relações diplomáticas com o governo republicano de Madrid.

1937

4 de JULHO

Atentado anarquista contra Salazar.

Criação da Frente Popular Portuguesa contra o fascismo que reúne os partidos e os grupos da oposição, todos clandestinos.

1938

21 de ABRIL

Reconhecimento pelo Governo português do Governo de Franco.

1939

17 de MARÇO

Salazar e Franco concluem o Pacto Ibérico.

1 de ABRIL

Fim da Guerra Civil de Espanha com a vitória dos fascistas.

AGOSTO

Assinatura do pacto germano-soviético (Ribbentrop/Molotov).

1 de SETEMBRO

Início da II Guerra Mundial.

2 de SETEMBRO

Definição da neutralidade portuguesa.

1940

7 de MAIO

Assinatura da Concordata e do Acordo Missionário, entre Portugal e o Vaticano.

29 de JULHO

Salazar e Franco assinam, em Lisboa, o Protocolo Adicional ao Tratado de Amizade e Não-Agressão entre Portugal e a Espanha.

NOVEMBRO

Dada a libertação de um importante número de militantes, entre os quais Álvaro Cunhal, Militão Ribeiro, Pedro Soares e Júlio Fogaça, o PCP inicia a sua reorganização.

1941

AGOSTO

O Avante!, órgão central do PCP (VI Série) volta a ser publicado e distribuído clandestinamente.

1942

José de Sousa e Fernando Quirino são expulsos do PCP.

DEZEMBRO

É criado o Núcleo de Acção e Doutrinação Socialista, que se propõe difundir os ideais socialistas. Em Lisboa, a organização conta com nomes como Vitorino e José de Magalhães Godinho, Moura Dinis, Afonso Costa Filho, Gustavo Soromenho e, no Porto, com António Macedo, Mário Cal Brandão, entre outros.

1943

29 de NOVEMBRO

Decorre, no Monte do Estoril, o III Congresso do PCP, o primeiro na clandestinidade.

DEZEMBRO

É criado o Movimento de Unidade Nacional Anti-Fascista (MUNAF).

1944

30 de MAIO

É criada a União Democrática Portuguesa, que adere ao MUNAF. Mayer Garção, Adão e Silva, Joaquim Gaita e Sá Cardoso são alguns dos seus promotores.

DEZEMBRO

É criada a União Socialista, resultante da fusão do Núcleo de Doutrinação e Acção Socialista com a União Democrática. Esta organização, a que estiveram associados Azevedo Gomes e Henrique de Barros, sobrevive até 1964, data em que os seus elementos aderem à Acção Socialista Portuguesa (ASP).

1945

MAIO

O governo proclama luto nacional pela morte de Hitler.

Grandes manifestações antifascistas comemoram a vitória dos Aliados.

24 de AGOSTO

Tentativa fracassada de putsch militar chefiada pelo general Norton de Matos.

SETEMBRO

Lei que introduz alterações na Constituição da República Portuguesa e no Acto Colonial. Consagra-se o alargamento do hemiciclo de 90 para 120 deputados, a introdução de círculos eleitorais de base distrital, a possibilidade de apresentação de listas eleitorais também coincidentes com os distritos (embora se mantenha o princípio de que a lista mais votada elege a totalidade dos deputados) e o Governo passa a ser o órgão legislativo normal, o que aliás já se verificava na prática.

5 de OUTUBRO

A comemoração da implantação da República serve de pretexto à realização de grandes manifestações contra o Estado Novo, em Lisboa e no Porto.

8 de OUTUBRO

Formação do Movimento de Unidade Democrática (MUD).

22 de OUTUBRO

É criada a Polícia Internacional de Defesa do Estado (PIDE), em substituição da PVDE.

18 de NOVEMBRO

Eleições legislativas. A Oposição apela à abstenção, por considerar que não estão reunidas condições para que o acto eleitoral decorra com um mínimo de isenção.

1946

27 de JANEIRO

Tem lugar no Centro Almirante Reis a "Jornada histórica dos Socialistas Portugueses", que reúne elementos ligados ao Partido Socialista Português/Secção Portuguesa da Internacional Operária (PSP/SPIO), que iniciam o seu esforço de reorganização.

27 de ABRIL

É criado o MUD Juvenil.

12 de MAIO

Criação da Frente Socialista, composta pelo PSP (SPIO), o Partido Trabalhista Português e socialistas não filiados.

AGOSTO

Protesto do MUD pela admissão de Portugal na ONU.

10 de OUTUBRO

Fracassa mais uma tentativa de derrube do regime - a Revolta da Mealhada, chefiada por Fernando Queiroga.

Henrique Galvão denuncia na Assembleia Nacional a existência de trabalho escravo em Angola.

1947

10 de ABRIL

Tentativa de revolta militar contra a ditadura, chefiada por Marques Godinho.

Sabotagem de aviões na Base Aérea de Sintra por Hermínio da Palma Inácio.

ABRIL

Presos vários dirigentes do MUD Juvenil, entre os quais Francisco Salgado Zenha e Mário Soares.

1 de MAIO

António Sérgio profere a "Alocução aos Socialistas".

18 de JUNHO

Expulsos da Universidade 26 professores por "delito de opinião".

Crise académica em Lisboa.

1948

MARÇO

Ilegalização do MUD e prisão da sua Comissão Central.

25 de JUNHO

Morre Bento de Jesus Caraça.

9 de JUNHO

O general Norton de Matos anuncia a sua candidatura à Presidência da República e distribui um "Manifesto à Nação".

1949

13 de FEVEREIRO

Eleições à Presidência da República. A Oposição apresenta um candidato único que é o general Norton de Matos e abstém-se em virtude da falta de garantias que assegurem a seriedade das eleições. Carmona é reeleito.

ABRIL

Portugal é admitido na NATO.

Fundação do Movimento Nacional Democrático (MND), presidido por Rui Luís Gomes.

JUNHO

São criadas as medidas de segurança para os chamados delinquentes políticos.

DEZEMBRO

Portugal subscreve a Declaração dos Direitos do Homem nas Nações Unidas.

1951

18 de ABRIL

Morte do general Carmona.

3 de JUNHO

A Oposição apresenta dois candidatos à Presidência da República o almirante Quintão Meireles e Rui Luís Gomes.

11 de JUNHO

Lei que introduz alterações na Constituição da República Portuguesa. Uma das alterações fundamentais é a que se refere à integração do Acto Colonial na Constituição Política e a extinção do "Império Colonial Português". As colónias passam a denominar-se "províncias ultramarinas".

22 de JULHO

"Eleição" do general Craveiro Lopes.

1953

É criada a Resistência Republicana e Socialista (RRS). Reúne em seu redor nomes como os de Manuel Mendes, Piteira Santos, Gustavo Soromenho, Mário Soares e Ramos da Costa e apresenta-se como um grupo de reflexão que tenta construir uma alternativa de esquerda não comunista.

Primeiro Plano de Fomento.

1954

Começa o movimento dos Satyagrahis em Goa que dá origem a uma grande repressão.

1956

19 de SETEMBRO

Fundação do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), presidido por Amílcar Cabral.

10 de DEZEMBRO

Constitui-se o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), presidido por Agostinho Neto.

Mário Soares, na qualidade de representante da RRS, passa a integrar o Directório Democrato-Social.

1957

6 de OUTUBRO

Reúne em Aveiro o I Congresso Republicano.

3 de NOVEMBRO

Eleições para a Assembleia Nacional. As listas da Oposição apresentadas pelos candidatos de Lisboa, Porto, Aveiro e Braga, desistem à boca das urnas.

1958

JUNHO

Candidatura à Presidência da República do general Humberto Delgado. Arlindo Vicente, apoiado pelo PCP, desiste a seu favor.

JULHO

O Bispo do Porto critica o regime em carta aberta a Salazar.

Henrique Galvão é condenado a 16 anos de prisão.

1959

12 de JANEIRO

Humberto Delgado refugia-se na Embaixada do Brasil e o Bispo do Porto exila-se.

16 de JANEIRO

Henrique Galvão evade-se da prisão.

11 de MARÇO

Tentativa revolucionária abortada (Revolta da Sé).

12 de MARÇO

Carta Aberta de 40 católicos progressistas a exigir um inquérito às actividades da PIDE.

18 de MARÇO

Petição nacional para a demissão de Salazar.

29 de AGOSTO

Lei que promulga as alterações à Constituição Política da República Portuguesa. A alteração fundamental é a da forma de eleição do Chefe de Estado, que passa a ser feita por intermédio de um colégio eleitoral.

1960

JANEIRO

Álvaro Cunhal e outros líderes comunistas evadem-se do forte de Peniche.

30 de MAIO

Portugal entra na EFTA.

JUNHO

Massacre de mais de mil africanos em Moçambique (Mueda).

1961

21 de JANEIRO

Henrique Galvão apodera-se do navio Santa Maria.

4 de FEVEREIRO

Os nacionalistas angolanos assaltam as prisões de Luanda. Nos dias seguintes são massacradas perto de 3000 pessoas.

12-13 de ABRIL

Golpe de Estado frustrado do general Botelho Moniz. Salazar toma conta da pasta da Defesa.

15 de MAIO

Começa a insurreição no Norte de Angola.

MAIO

Os socialistas redigem e divulgam o "Programa para a Democratização da República".

NOVEMBRO

Palma Inácio faz o primeiro desvio de um avião, para lançar sobre Lisboa panfletos antifascistas durante as pseudo-eleições.

18 de DEZEMBRO

Ocupação de Goa, Damão e Diu pelas tropas da União Indiana.

31 de DEZEMBRO

Regresso clandestino do general Humberto Delgado a Portugal para participar na insurreição de Beja.

1962

Crise académica nas três Universidades - Lisboa, Coimbra e Porto.

1963

SETEMBRO

O PAIGC desencadeia a guerrilha na Guiné.

1964

JANEIRO

Criação da Frente de Acção Popular (FAP), que resulta de uma cisão no PCP, tendo por referência o conflito sino-soviético e o recurso à acção armada contra o salazarismo.

SETEMBRO

A FRELIMO começa a guerra em Moçambique.

22 de NOVEMBRO

Manuscrito de Mário Soares, que refere a criação da Acção Socialista Portuguesa (ASP), em Genebra. É aprovada na mesma reunião a "Declaração de Princípios" da nova organização.

1965

13 de FEVEREIRO

Assassinato do general Humberto Delgado.

4 de OUTUBRO

Divulgação do "Manifesto dos 101 católicos". No documento é criticada a cumplicidade entre a hierarquia da Igreja Católica e o regime no que diz respeito à guerra de África.

14 de OUTUBRO

Eleições para a Assembleia Nacional. A Oposição apresenta candidatos por Lisboa, Porto, Viseu, Leiria e Braga, e abre a sua campanha com uma conferência de imprensa conjunta, em Lisboa, na qual enuncia algumas reivindicações mínimas - o "Manifesto ao País".

1966

15 de MARÇO

Criação da UNITA, em Angola.

1967

MAIO

Publicação do 1.º número do Portugal Socialista, órgão oficial da ASP.

Visita do Papa Paulo VI a Fátima. Criação da Liga de Unidade e de Acção Revolucionária (LUAR), dirigida por Palma Inácio (assalto ao Banco de Portugal na Figueira da Foz).

1968

21 de MARÇO

Mário Soares é deportado, sem julgamento, para S. Tomé.

AGOSTO

O PCP toma posição a favor da invasão da Checoslováquia pelas tropas soviéticas.

SETEMBRO

Salazar adoece e é substituído por Marcelo Caetano.

NOVEMBRO

Mário Soares regressa de S. Tomé.

1969

1 de JANEIRO

Um grupo de católicos, depois de ter realizado uma vigília na igreja de S. Domingos, em que foi condenada a política africana do governo, divulga um documento manifestando o seu empenho na obtenção de uma solução pacífica para a questão colonial.

24 de JANEIRO

Morre António Sérgio.

3 de FEVEREIRO

O presidente da FRELIMO, Eduardo Mondlane, é assassinado em Dar-es-Salam por uma bomba enviada numa encomenda postal.

14-16 MAIO II

Congresso Republicano de Aveiro.

31 de MAIO

Inicia-se no Porto uma Convenção de socialistas portugueses. António Macedo, Salgado Zenha, Mário Soares, Raul Rêgo, Teófilo Carvalho dos Santos e Vasco da Gama Fernandes assinam um comunicado sobre a reunião.

Evasão de Palma Inácio da PIDE do Porto.

15 de JUNHO

Na sequência da Convenção e do II Congresso Republicano, representantes distritais dos vários sectores da Oposição Democrática, do Continente e Ilhas reúnem-se em S. Pedro de Muel e aprovam uma "Plataforma de Acção Comum", em que se formulam princípios e reivindicações essenciais da Oposição nos vários planos da actividade política, social e cultural. 

A Oposição reunida decide, igualmente, participar no próximo acto eleitoral.

16-20 de JUNHO

A ASP é convidada a participar no XI Congresso da Internacional Socialista, que tem lugar em Eastbourne, na Inglaterra. Francisco Ramos da Costa e Manuel Tito de Morais constituem a delegação da ASP, com o estatuto de observadores.

JULHO

O Bispo do Porto regressa do exílio.

26 de OUTUBRO

Eleições para a Assembleia Nacional a Oposição apresenta candidatos em todos os distritos do país. Em Lisboa, Porto e Braga aparece dividida em CEUD e CDE.

É expulsa de Portugal uma delegação da Internacional Socialista, presidida pelo seu secretário-geral Hans Janitscheck.

24 de NOVEMBRO

No Ministério do Interior é criada a Direcção-Geral de Segurança (DGS), que substitui a PIDE.

1970

17 de FEVEREIRO

São presos os dirigentes socialistas Francisco Salgado Zenha e Jaime Gama. A Raul Rêgo é imposta residência fixa.

26 de MAIO

Decorre, na Suiça, como apoio do Partido Socialista Suiço, o I Encontro dos Núcleos da ASP no Estrangeiro, que aprova uma nova Declaração de Princípios.

25 de JUNHO

Morre Henrique Galvão.

1 de JULHO

Paulo VI recebe no Vaticano os dirigentes dos movimentos nacionalistas das colónias portuguesas Agostinho Neto, Amílcar Cabral e Marcelino dos Santos.

27 de JULHO

Morre Oliveira Salazar.

JULHO

Exílio de Mário Soares.

1971

23 de FEVEREIRO

II Encontro dos Núcleos da ASP no Estrangeiro, que conta com a presença de vários activistas de Portugal.

28 de JUNHO

A ASP participa, com o estatuto de observador, no VIII Congresso dos Partidos Socialistas da CEE, que decorre em Bruxelas.

1 de JULHO

Abandono colectivo e simbólico da Assembleia Nacional por parte dos doze deputados da chamada "ala liberal", como forma de protesto contra o voto de obstrução da maioria, que impediu que fosse discutido na especialidade um projecto de Lei de Imprensa apresentado por Sá Carneiro e Pinto Balsemão.

Cisão no seio da Frente Patriótica de Libertação Nacional (FPLN) o PCP separa-se da Frente. Começo da luta armada contra o fascismo e o colonialismo criação da Acção Revolucionária Armada (ARA) e das Brigadas Revolucionárias (BR).

1972

26 de JUNHO

A ASP entra como membro de pleno direito na Internacional Socialista, durante o XII Congresso da Internacional Socialista, reunido em Viena. Mário Soares e Manuel Tito de Morais constituem a delegação que representa a ASP.

Termina, em Genebra, a 57.ª sessão da Conferência Internacional do Trabalho. A delegação portuguesa abandona os trabalhos na sequência da aprovação de uma resolução repudiando a sobrevivência do sistema colonial português.

12 de OUTUBRO

É assassinado pela polícia o estudante José António Ribeiro dos Santos.

30 de NOVEMBRO

O PAIGC é admitido na ONU com o estatuto de observador.

16 de DEZEMBRO

Massacre de Wiriyamu.

30 de DEZEMBRO

Vigília na Capela do Rato, em Lisboa. É aprovada uma moção contra a política colonial portuguesa e que considera legítima a luta dos povos dos territórios portugueses. A vigília é interrompida pela polícia, que prende cerca de 70 pessoas.

1973

20 de JANEIRO

Amílcar Cabral, presidente e fundador do PAIGC, é assassinado em Conakry.

25 de JANEIRO

Sá Carneiro e Miller Guerra renunciam aos seus mandatos de deputados.

4 de ABRIL

Reúne-se em Aveiro o III Congresso da Oposição Democrática.

19 de ABRIL

Em Bad Munstereifel, nos arredores de Bona (RFA), a Acção Socialista Portuguesa transforma-se em Partido Socialista (PS). Mário Soares é eleito secretário-geral do partido.

JUNHO

Denúncia dos massacres de Wiriyamu.

Grande fracasso internacional da visita a Londres de Marcelo Caetano.

13 de JULHO

É publicado o DL 353/73 que permite a passagem dos oficiais milicianos aos quadros permanentes mediante a frequência de um curso intensivo na Academia Militar. Este diploma desencadeia uma vaga de descontentamento entre os oficiais do Quadro Permanente.

30 de JULHO

Conclui-se o chamado Encontro dos Liberais, em que participaram figuras da área liberal-democrática (Sá Carneiro, Pinto Balsemão, Vera Jardim, Sedas Nunes, Magalhães Mota, entre outros). Falha a tentativa para criar uma "terceira força", concebida para concorrer com a Acção Nacional Popular (ANP) e a Oposição Democrática nas eleições legislativas de Outubro.

9 de SETEMBRO

Nasce o "movimento dos capitães". Nas proximidades de Évora, decorre uma reunião de 136 oficiais de todas as armas e serviços. É elaborado um documento, endereçado a Américo Tomás e Marcelo Caetano, reclamando a revogação dos DL 353/73 e 407/53 (que rectificava o anterior).

SETEMBRO

O Programa do PS é divulgado clandestinamente.

Delegações do Comité Central do PCP e do Conselho Directivo do PS reúnem-se em Paris. Do encontro resulta um comunicado comum.

NOVEMBRO

Palma Inácio é preso pela PIDE no centro de Lisboa.

1974

5 de MARÇO

Em reunião realizada em Cascais, o "movimento dos capitães" que passa a designar-se Movimento das Forças Armadas (MFA), aprova um documento com as suas bases programáticas "O Movimento das Forças Armadas e a Nação".

16 de MARÇO

Revolta Militar nas Caldas da Rainha.